website page view counter

Folha Regional Online

Domingo, 2 de Junho de 2024
laboratório
laboratório

Geral

Os servidores e a "Lei de Gérson"

O QUE LEVA AS PESSOAS BUSCAR VANTAGEM NA DESGRAÇA ALHEIA?

Ely Damasceno
Por Ely Damasceno
Os servidores e a
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Na cultura midiática brasileira, a Lei de Gérson é um princípio em que determinada pessoa ou empresa busca obter vantagens de forma indiscriminada,  sem se importar com questões éticas ou morais frente determinadas situações. A "Lei de Gérson" até hoje é usada para exprimir traços bastante característicos e pouco lisonjeiros do caráter midiático de alguns, que passa a ser interpretado como caráter da população, associados à disseminação da corrupção e ao desrespeito a regras de convívio para a obtenção de vantagens.

***

Senão vejamos:  A ferramenta conhecida como “abono salarial” utilizada pelo prefeito de Ibiporã José Maria Ferreira para reajustar o piso nacional da educação aos professores municipais está sendo utilizada como combustível do chamado “fogo amigo”.

Publicidade

Leia Também:

***

Pela manifestação em rede sociais, observamos que quem apoiou a eleição do prefeito José Maria, e participava das rodinhas de happy hour brindando a felicidade ao lado de "cumpanheros vermelhos" durante a campanha eleitoral, curiosamente limpou a ficha e, hoje por conveniência se contrapõe, e pega carona na polêmica dos salários para suposta auto promoção.
***
Ísso é coisa típica da escola política do mestre que temos em Ibiporã.  O mais curioso é que a manifestação ocorre justamente depois que a vaca foi para o brejo.  Depois do leite derramado, não adianta apagar o fogo. A sujeira que fica em cima do fogão dá trabalho para limpar.
***
A nota de repúdio publicada pelo Sindicato na tarde de ontem, reflete que não teve força suficiente para se impor. A categoria por sua vez, dado ao número inexpressivo de servidores nas Assembleias, apontam que o funcionalismo ainda tem muito o que evoluir na defesa de seus próprios interesses. Falta união. Isto ficou claro na última eleição com o funcionalismo dividido entre as forças do bem e do mal.
***

A receita do "não vai ficar ninguém prá traz" não incluía os servidores de carreira, mas só os comissionados com gordo 22% de reajuste.

***

O posicionamento na maioria destes, plantou o fruto que hoje estão colhendo. Isso é fato e notório. O que fizeram na campanha eleitoral com o ex-prefeito, foi uma covardia. Até comissionado, bancava o Judas de gabinete, traindo a confiança e a consideração recebida. Sem falar nos apadrinhados que recebem gordo salário, sem profissionalmente fazer por merecer em detrimento dos demais servidores de carreira.
***
Hoje quem almeja sentar na cadeira, sai da zona de conforto, e busca na simpatia na categoria, agregar vantagem política a sua imagem. Não precisa ter bola de cristal para ver este cenário. Fica uma pergunta: E o secretário de Educação? QUE ALMEJA SER O VICE...
Como é que fica nessa situação? Mais um queimado pelo mestre?
***
Quem estuda as finanças, sabe que nem tudo é dificuldade por conta do "caixa da prefeitura". É só questão de remanejamento de orçamento. Por acaso já repararam que tem dinheiro para tudo, menos para o servidor neste momento?
***
E qual é a estratégia? Colocar tudo em dia no ano que vem, passar o mel na chupeta do servidor, convocar os “bravos do magistério” que amam o prefeito de paixão (quem se lembra da capanha eleitoral passada sabe disso), e leva todos no bico para garantir mais uma reeleição.
***
O golpe está aí....cai quem quer!  Onde estão aqueles servidores que fizeram “casinha” para a secretária Margareth, na patifaria que fizeram com a mudança do horário de lanche das crianças? Hoje fecharam a boca? E o boca aberta? Porque não o convocam agora para incitar protesto contra a administração?
***
E o secretário? Ah, o secretário...este faz o jogo do prefeito acreditando na fórmula infalivel da politica, e sendo mais um inocente útil na massa de manobra do chamado tetra-prefeito. 
***
Neste jogo de cartas, alguns serão descartados e há muitos no monte em meio da mesa para serem comprados. E o prefeito, mestre na arte do jogo político, sabe exatamente a carta que irá comprar. Resta saber, qual das cartas vai descartar. Até o fim do jogo,  serão várias.
***
Há que se registrar que valorizar o profissional de ensino, é o primeiro passo  de investimento na Educação. Não adianda duplicar o número de vagas deficientes na rede, investir na reforma e ampliação das escolas, garantir dos kits escolares, com uniformes, materiais básicos, salas de informática, ar-condicionado, playground, merenda de qualidade e entrega de notebooks aos professores. 
***
A manutenção de um salário digno, seja para profissionais da educação, da saúde e demais servidores é o mínimo que se espera. Usá-lo como instrumento de articulação política é no mínimo falta de respeito a categoria tanto de um lado, quanto de outro. Até quando os professores e demais servidores serão usados como massa de manobra por políticos sem escrúpulo e servir de corda neste “cabo de guerra”?
***

Para concluir, se alguém tem pretensão de sair candidato, esta é a hora menos imprópria para aplicar a Lei de Gérson. Querer levar vantagem numa corrida quando se perdeu na largada, mal vai chegar até a metade do caminho! E se tem uma coisa que não se esquece na política, é isso. E quando alguém pode apostar que o eleitor não tem memória, deve lembrar que hoje, tudo fica arquivado. E com certeza, no momento certo, será usado!

FONTE/CRÉDITOS: Folha Portal/Opinião
Comentários:
Ely Damasceno

Publicado por:

Ely Damasceno

Bacharel em Teologia Theological University of Massachussets USA 1984/1990. Jornalismo pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo. Repórter Gaz.Esportiva, Diários Associados, Estadão/SP, Jornais Dayle Post, em Boston-USA e Int.Press Hyogo-Japão

Saiba Mais

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!