website page view counter

Folha Regional Online

Domingo, 2 de Junho de 2024
laboratório
laboratório

Política

Julgamento que pode cassar mandato de Moro é retomado hoje

Senador do Paraná responde a duas ações por abuso de poder econômico na pré-campanha eleitoral de 2022, mas nega as acusações

Hatsue Kajihara
Por Hatsue Kajihara
Julgamento que pode cassar mandato de Moro é retomado hoje
REUTERS/Adriano Machado
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

     O julgamento das duas Ações de Investigação Judicial Eleitoral (AIJEs) que pedem a cassação do mandato do senador Sergio Moro (União Brasil-PR) será retomado às 14h desta quarta-feira (3) no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), em Curitiba. A primeira sessão do julgamento ocorreu na segunda-feira (1º). No primeiro dia de análise na Justiça Eleitoral, o relator do caso, desembargador Luciano Carrasco Falavinha Souza, votou contra a perda do mandato.

    O magistrado entendeu que as acusações contra o senador por abuso de poder econômico na eleição de 2022 não procedem. Em seguida, o segundo desembargador a votar, José Rodrigo Sade, pediu vista, ou seja, mais tempo para analisar o caso. Com isso, a sessão foi encerrada. A partir desta quarta-feira, outros seis desembargadores vão votar, seguindo esta ordem: Desembargador José Rodrigo Sade – classe de advogado efetivo; Desembargadora Claudia Cristina Cristofani – juíza federal efetiva; Desembargador Julio Jacob Junior – classe de advogado efetivo; Desembargador Anderson Ricardo Fogaça – juiz de Direito efetivo; Desembargador Guilherme Frederico Hernandes Denz – juiz de Direito efetivo; Desembargador Sigurd Roberto Bengtsson – presidente.

   Segundo o TRE-PR, cada um deles pode justificar o voto pelo tempo que quiser. Além desta quarta, o TRE-PR também reservou a próxima segunda-feira (8) para o julgamento dos processos. A data exata da conclusão depende da velocidade dos votos. Conforme o órgão, todos os membros votam porque os processos envolvem possível perda de mandato. Em ações sem esse tipo de especificidade, o presidente só votaria em caso de empate. Qualquer que seja a decisão no tribunal paranaense, cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Publicidade

Leia Também:

   O senador é alvo de duas Ações de Investigação Judicial Eleitoral (AIJEs), que apontam abuso de poder econômico, caixa dois e utilização indevida de meios de comunicação social durante a pré-campanha eleitoral de 2022. Além de Moro, os dois suplentes eleitos na chapa são alvos das ações: Luis Felipe Cunha e Ricardo Augusto Guerra, ambos do União Brasil. Os processos são analisados em conjunto e pedem a perda do mandato de Moro. Por terem como alvo toda a chapa eleita, caso a Corte decida pela cassação, os suplentes também ficam impedidos de assumir o cargo e deverá ser convocada eleição suplementar. A origem das ações As duas ações foram protocoladas por duas frentes antagônicas na política nacional.

   A primeira pelo Partido Liberal (PL), de base bolsonarista, e a outra pela Federação Brasil da Esperança - FÉ BRASIL (PT/PCdoB/PV), base que elegeu o governo Lula, em novembro e dezembro de 2022. Em entrevista a Malu Gaspar, colunista do jornal O Globo e da rádio CBN, explica o cenário em que as ações surgiram. "Elas [ações] argumentam que o Sergio Moro, na sua pré-campanha para Presidência da República, cometeu abuso de poder político indevido dos meios de comunicação e obteve, em suma, uma vantagem indevida em relação aos outros candidatos que depois disputaram a campanha ao Senado", cita a jornalista.

   Antes de se candidatar ao Senado pelo União Brasil, Moro foi filiado ao Podemos. "Primeiro, o Sergio Moro se filiou ao Podemos e tentou fomentar ali uma pré-campanha para Presidência da República. E, nessa condição, foram feitos eventos, vídeos feitos pelo partido exibindo a imagem do Sergio Moro... E tudo parecia caminhar por uma candidatura presidencial, quando ele deixou o Podemos após alguns desentendimentos e passou para o União Brasil." "E aí o que é que o PT e o PL argumentam? Que com essa exposição que ele teve na pré-campanha, os gastos que os partidos fizeram com esses eventos, com viagens que ele fez e essa pré-campanha, deram a ele uma visibilidade desproporcional, de modo que, quando ele chegou na campanha do Senado para disputar o Senado, ele já estava fazendo campanha antes", explica.

   Moro falou, em depoimento ao TRE-PR, em dezembro, que não obteve vantagem eleitoral e nega a acusação de desequilíbrio eleitoral causado por irregular pré-campanha ao cargo de presidente da República. Além disso, o senador defendeu, em entrevista após depoimento, que todos os gastos da campanha são legais e foram declarados à Justiça Eleitoral. Moro alegou que não há provas de que ele tenha usado a pré-candidatura presidencial para conseguir visibilidade e diz que não precisaria disso por ser uma pessoa amplamente conhecida.

FONTE/CRÉDITOS: Folha Portal/g1PR/de Curitiba/Hatsue Kajihara
Comentários:
Hatsue Kajihara

Publicado por:

Hatsue Kajihara

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the 1500s, when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book.

Saiba Mais

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!