website page view counter

Folha Regional Online

Domingo, 2 de Junho de 2024

Policial

Pagamentos de propina a deputado estadual Ademar Traiano foram feitos dentro da Alep e em prédio onde ele mora

Revelação foi feita pelo empresário Vicente Malucelli, em delação premiada. Traiano e o ex-deputado Plauto Miró confessaram que pediram propinai

Ely Damasceno
Por Ely Damasceno
Pagamentos de propina a deputado estadual Ademar Traiano foram feitos dentro da Alep e em prédio onde ele mora
g1/Paraná
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

     Os pagamentos de propina ao deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano (PSD) foram feitos dentro da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) e no hall do prédio onde o deputado mora. As informações foram reveladas pelo empresário Vicente Malucelli em delação premiada firmada com o Ministério Público do Paraná (MP-PR) e homologada pela Justiça. 

   Traiano, e o ex-deputado estadual Plauto Miró (na época, filiado ao DEM) confessaram ao Ministério Público que pediram e receberam propina de Malucelli, então responsável pela TV Icaraí, que venceu licitação em 2012 para produção de conteúdo para a TV Assembleia. De acordo com o empresário, em setembro de 2015 Traiano recebeu os valores em duas parcelas: a primeira, em espécie, no gabinete da Presidência da Assembleia Legislativa do Paraná.

   A segunda, em três cheques, no hall de entrada do prédio onde mora. Confira um trecho da delação: "Os primeiros R$ 50 mil do Traiano eu fui levar em mãos, um envelope, e ele começou, posterior a isso, a me pressionar, assim, ligando... já com tudo isso que tava acontecendo no Brasil, sem nenhum tipo de pudor, me ligar e me pressionar 'cadê meu dinheiro? Cadê meu dinheiro? Quando é que você vem?'", afirmou. Vicente Malucelli gravou áudios de conversas que manteve com Traiano negociando o pagamento da propina.

Publicidade

Leia Também:

   Em uma das conversas, o deputado pediu para entregar os cheques na casa onde mora. Os áudios passaram por perícia do Ministério Público, que atestou que o conteúdo é autêntico e não sofreu edição ou adulteração. Vicente Malucelli: Firme? Ademar Traiano: [ininteligível] Malucelli: Vai me dar o número da conta? Traiano: [Ininteligível]… tem aí? Malucelli: Não, não, to sacando amanhã. (...) Traiano: Mas assim ó, 10 horas, meu filho, quer marcar? Malucelli: Eu tenho que ir no banco, sacar, ...dois cheque na mão Traiano: Pra mim, cheque? Malucelli: Eu saco... Traiano: Cheque de quem? Da TV? Malucelli: É Traiano: Se não eu ia mandar os cheques Malucelli: Quer cheque meu? Traiano: Acho que seria melhor. Malucelli: Eu trago Traiano: Vou dar noutra pessoa, lá fora. Malucelli: Dois de 25... daí trago amanhã de manhã, aqui, ou hoje ainda. Traiano: Eu acho que eu preferia se fosse entregue hoje. (...) Traiano: Vou dizer, ó, pode dar o dinheiro.

   Durante as investigações, o Ministério Público identificou seis depósitos em espécie, de autoria não identificada, na conta do deputado estadual. Juntos, os depósitos somam R$ 57.540. Segundo o MP-PR, as datas e o valores dos depósitos, somados à ausência de justificativa sobre a origem da quantia, são fortes indícios de vantagem indevida. 

ENTENDA: Delação premiada sobre recebimento de propina por Traiano veio à tona em processo no Conselho de Ética SEGUNDO ACORDO: Cinco anos antes de assinar acordo admitindo propina, Traiano se comprometeu a parar com 'participação em ilícitos' Um dos pagamentos foi feito dentro da própria Alep, segundo delação Orlando Kissner/Alep Pagamentos a Plauto Miró.  Em relação aos pagamentos ao ex-deputado Plauto Miró, Vicente Malucelli afirmou, na delação, que o parlamentar teria ido à sede do Grupo J. Malucelli duas vezes, entre setembro e outubro de 2015, para receber duas parcelas de R$ 50 mil cada e que elas foram repassadas pessoalmente por Georgete Soares Bender, responsável pelas finanças do grupo J.Malucelli.

   Segundo o Ministério Público, o primeiro pagamento teria ocorrido no dia 24 de setembro de 2015, pois há o registro de entrada de Plauto Miró na sede do Grupo J. Malucelli. O segundo pagamento teria se efetivado dias depois. Georgete Soares Bender, que também fechou acordo de delação premiada com o MP, disse, em depoimento, que não conseguiram sacar tudo de uma vez e que Vicente pediu para ela entregar em duas oportunidades para o então deputado Plauto Miró. Veja um trecho do depoimento de Georgete: "Uma vez o Vicente disse que ele estava indo a Ponta Grossa/PR, ia passar ali na empresa e já ia pegar esse montante de R$ 50 mil. Ele chegou na recepção, se anunciou, daí eu fui buscá-lo, levei-o até a minha sala e entreguei o pacote com R$ 50 mil. Depois no outro período aconteceu a mesma coisa, também recebi ele na recepção, levei até a minha sala e entreguei R$ 50 mil pra ele novamente." Os acordos de delação premiada de Vicente Malucelli e Georgete Bender foram homologados em 2020 pelo Tribunal de Justiça do Paraná.

   De acordo com Vicente Malucelli, o pedido de propina do presidente da Alep e do então primeiro-secretário aconteceu como contrapartida para renovar o contrato da assembleia com a TV Icaraí. Na época, Malucelli era responsável pela TV, que venceu a licitação em 2012 para produção de conteúdo para a TV Assembleia. Na delação, Vicente afirmou às autoridades que, numa reunião na Assembleia Legislativa, em agosto de 2015, com Ademar Traiano e Plauto Miró, o presidente da Assembleia pediu R$ 300 mil. Na época, Miró exercia a função primeiro secretário da Casa. Segundo Vicente, foi negociado pagamento de R$ 200 mil - R$ 100 mil para cada. "O Traiano falando que 'pô, nós precisávamos de uma verba para campanha, uma ajuda de campanha'. Eu inicialmente me fingi de desentendido, o Plauto não abriu a boca, e o Traiano escreveu num papel o valor de R$ 300 mil. Aí eu falei 'vou repassar pro acionista principal e eu venho com o retorno'".

   Em outro trecho, o empresário afirma que levou a situação até Joel Malucelli, principal acionista do grupo J. Malucelli. "Eu entendi naquele momento que se eu não colaborasse ou se não desse essa ajuda de campanha eu ia ter o contrato rescindido. Foi esse o nosso entendimento, mas o Joel ficou bastante consternado com o valor e depois de algumas diligências com ele, consignamos que íamos pagar R$ 200 mil, R$ 100 mil pra cada um. E aí eu voltei com a informação, uma semana depois ou três, quatro dias depois, e eles aceitaram".

O que dizem os citados

   Em nota, Traiano afirma não haver nenhuma investigação em andamento sobre os documentos divulgados e que estão em segredo de Justiça. "Esse documento sigiloso foi vazado ilegalmente, conforme já atestado pelo Ministério Público e pela própria Justiça. Apesar de uma decisão judicial ter liberado a imprensa de divulgar sobre os documentos já vazados, o sigilo dos atos processuais persiste, impondo-se que as devidas explicações sejam dadas apenas no momento oportuno", diz a nota.

   O ex-deputado Plauto Miró não retornou as tentativas de contato da reportagem. A TV Icaraí informou que rescindiu o contrato de Vicente Malucelli em julho de 2021. “A TV Icaraí Ltda. Tem a esclarecer que o senhor Vicente Baptista Malucelli Neto teve o seu contrato de prestação de serviços rescindido na data de 16/11/2021, em razão de condutas incompatíveis com as regras de governança da empresa e, portanto, não integra mais os quadros nem responde por este veículo de comunicação” A defesa de Vicente Malucelli classificou, nesta quinta-feira, a nota da TV Icaraí como inverdadeira. Afirmou que Vicente Malucelli é colaborador do Ministério Público nos escândalos de corrupção anunciados. Disse também que Joel Malucelli é quem foi preso quando a operação aconteceu justamente por conduta incompatível com as regras de governança corporativa. O grupo J. Malucelli e o empresário Joel Malucelli não se manifestaram. O MP-PR disse que os procedimentos investigatórios que estão sob sua responsabilidade já receberam os encaminhamentos que eram necessários para as investigações e que, por ora, não pode se manifestar. 

FONTE/CRÉDITOS: g1/Paraná
Comentários:
Ely Damasceno

Publicado por:

Ely Damasceno

Bacharel em Teologia Theological University of Massachussets USA 1984/1990. Jornalismo pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo. Repórter Gaz.Esportiva, Diários Associados, Estadão/SP, Jornais Dayle Post, em Boston-USA e Int.Press Hyogo-Japão

Saiba Mais
laboratório
laboratório

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!