website page view counter

Folha Regional Online

Domingo, 2 de Junho de 2024

Local

Perícia aponta que carro em que bebe foi arremessado durante capotamento em Londrina estava acima da velocidade permitida

Veículo estava a 149 km por hora, uma velocidade bastante superior à velocidade máxima permitida para a via, que é de 70km/h.

Ely Damasceno
Por Ely Damasceno
Perícia aponta que carro em que bebe foi arremessado durante capotamento em Londrina estava acima da velocidade permitida
Divulgação PRF
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

    A perícia realizada pelo Instituto de Criminalística no veículo que capotou e terminou com morte de um bebê de um ano em Londrina, no norte do Paraná, apontou que o motorista estava acima da velocidade permitida. O acidente foi na noite de domingo (10), em um trecho duplicado entre Londrina e Ibiporã. Condutor, o pai da criança, perdeu controle da direção e atingiu um poste às margens da BR-369. 

   Segundo o chefe do instituto de criminalística, Luciano Bucharles, o automóvel estava 149 km por hora, uma velocidade bastante superior à velocidade máxima permitida para a via, que é de 70km/h. "Houve uma remoção completa de um poste na rodovia, então ficou bem caracterizado o local da batida e no caso da velocidade foi possível calcular. A gente chegou num valor mínimo de 149 km/h, que é uma velocidade bem superior da permitida", explicou.

   O laudo foi encaminhado para Polícia Civil incluir no inquérito, que está em andamento. Conforme Bucharles, havia cadeirinha para o bebê no veículo, mas há probabilidade de que estava mal instalada, ou a vítima não estava afivelada. A mãe da criança, de 18 anos, permanece internada. O condutor, pai da criança, de 19 anos, teve ferimentos leves. Suspeita de racha descartada Em primeiro momento, a suspeita era de que o motorista estava participando de em "racha", mas não foram encontrados vestígios para afirmar sobre a possibilidade. "Não havia vestígio no local para confirmar a ocorrência de um racha. Nem sempre excesso de velocidade tipifica um racha", falou.

Publicidade

Leia Também:

   Conforme ele, a velocidade bastante alta, a pista molhada, os pneus em más condições, foi combinação de fatores que acabou resultando nessa tragédia. Ainda no laudo, apontou que os pneus do veículo estava em más condições de uso. As investigações continuam. 

FONTE/CRÉDITOS: g1/PR
Comentários:
Ely Damasceno

Publicado por:

Ely Damasceno

Bacharel em Teologia Theological University of Massachussets USA 1984/1990. Jornalismo pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo. Repórter Gaz.Esportiva, Diários Associados, Estadão/SP, Jornais Dayle Post, em Boston-USA e Int.Press Hyogo-Japão

Saiba Mais
laboratório
laboratório

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!