Folha Regional On line

Notícias LOCAL

Munícipes de Jataizinho, denunciam descaso no atendimento pela UPA de Ibiporã

Denuncia feita pelo grupo “Fiscaliza Jataizinho” alega que pacientes são orientados a buscar socorro em seu município

Munícipes de Jataizinho, denunciam descaso no atendimento pela UPA de Ibiporã
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

     Está criada a polêmica. De um lado reclames da discriminação que a população de Jataizinho diz vir recebendo por parte de servidores da UPA em Ibiporã. Por outro lado, o desabafo de servidores dado à superlotação na demanda em alguns dias e a falta de paciência de quem vem de fora. Afinal quem tem razão?
    A polêmica chegou nas redes sociais, e as reclamações resumem-se em uma só. Há uma grande demanda no atendimento e o serviço está um caos. Falta tudo, de medicamentos a profissionais para dar conta do recado. A UPA arruinou de vez, é a opinião geral.
   Quero lembrar aqui, que Ibiporã não tinha população suficiente para receber uma UPA. Ocorre que o senhor dotô, coroné, prefeito, então eleito em 2011 e com a promessa de campanha que iria construir um mini hospital (que chamou de CAIS em seu programa de governo/2012 a 2016), encontrou na UPA, uma saída para cumprir uma das promessas. Sem levar em conta o “suposto superfaturamento da obra” porque no Brasil todo as UPAs custaram cerca de R$ 2,5 milhões e em Ibiporã custou mais de R$ 4 milhões. Vale lembrar que a obra foi intermediada pelos “amigos de Ibiporã” que por corrupção acabaram na cadeia.
    Para refrescar a memória, vamos reportar aqui o que disse o prefeito José Maria na época: “Precisamos nos associar a Jataizinho para que pudéssemos entrar no critério do Ministério da Saúde para pleitear uma UPA. Sabemos do custo que isso representará, mas estamos conscientes da importância desta obra para melhorar os serviços de saúde prestados em nosso município”.
   Palavras do prefeito ditas em 31 de novembro de 2014, por ocasião de anunciar a demorada inauguração da UPA.  Ora se sabia do custo que isto iria representar, e que teria a responsabilidade de atender o município vizinho, o que está acontecendo agora? O que foi que mudou?                Jataizinho não contribui para a manutenção da UPA?  Mas para receber a obra, a população de lá foi levado em conta, não é mesmo?

    Assim como muitos que foram “convencidos” a transferirem seus títulos para Ibiporã, para receber uma “atenção especial” no atendimento.          Agora a população é tratada assim? Já não basta os Ibiporaneses que tiveram drástico corte na medicação oferecida na gestão passada e na redução de exames de laboratórios? Se não há competência para administrar, que entregue o boné!
     Apesar de que cada povo tem o governo que merece, dado a sua escolha, e nem sempre pela razão mas pela troca de favores e interesses quando não pela corrupção e até vender o voto, taí o resultado! O povo já tem saudade da administração do João!

Município tem obrigação de atender Jataizinho, independente de contribuir ou não

   Segundo a denúncia, “o pessoal da Upa de Ibiporã por vezes vem negando atendimento ou questionando porque não procuramos um médico em nossa cidade.  Há situações em quem tem médico aqui, mas as vezes o paciente não precisa só de uma consulta (aqui só se receita dipirona) precisa de um exame ou um raio x e não há onde apelar senão para a UPA. A nossa população vem sofrendo com isso e,  na hora de fazer a ficha,  são orientados a procurar médico em Jataizinho”, relata um membro do grupo.


   UPA de Ibiporã: Equipada, mas deficiente em profissionais e prestação de serviço à comunidade

O final de semana, incluindo o dia de ontem foi um caos na UPA, relataram várias pessoas que alegam ter esperado por horas para serem atendidos. E queremos saber, onde estão os 18 médicos prometidos por Zé Maria que estariam prestando este atendimento à população na escala de 12x36 horas? Só encontramos dois e as vezes três. O prefeito também prometeu que os plantões teriam um clínico geral e um pediatra, sendo que aos finais de semana e feriados haveria um reforço no quadro durante o dia, com um clínico geral e um de apoio além de um pediatra. Onde estão estes profissionais? E aí, quem é que mente?
     Em 28 de setembro de 2014, a prefeitura divulgou o resultado de concurso público onde o prefeito Zé Maria declarou que iria nomear os médicos aprovados em concurso para trabalharem na UPA. Onde estão estes médicos?
    Em 03 de janeiro de 2017, foi publicada Portaria GM/MS n. 10 que redefine as diretrizes de modelo e de financiamento das upas 24h como Componente da Rede de Atenção às Urgências no âmbito do Sistema Único de Saúde. As modificações estabelecidas pela portaria visavam garantir acréscimo do acolhimento com classificação de risco e da como condição de funcionamento da unidade além de incorporação das resoluções dos conselhos de classe profissional como condições de funcionamento.
    A pergunta é: Em ibiporã isto está sendo cumprido nesta gestão?
    Além da atenção básica, a UPA supostamente deve articular a “atenção domiciliar” e a regulação pelo SAMU, já estabelecidas em portaria (342/2013). Isto também é cumprido? Pois bem, são dúvidas que os senhores vereadores tem obrigação de fiscalizar e fazer cumprir. Aliás, existe uma “Comissão de Saúde” na Câmara, para esta finalidade. 
Para encerrar, quero lembrar também aquele discursinho manjado da secretária de Saúde, Leilaine Furlaneto, sobre os profissionais e o atendimento ao público. “Os profissionais estão preparados para fazer o acolhimento e classificação de risco, em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências. Foi priorizado o conforto e bem estar dos pacientes, criando um ambiente acolhedor, agradável e um atendimento resolutivo e humanizado, conforme o preconizado pelo `Humaniza SUS´."  Este é o cenário virtual da UPA vendido pela administração.     Agora, perguntem aos usuários do serviço, se eles têm a mesma visão desta situação?  Façam uma enquete com a população que utiliza os serviços da UPA e tirem suas conclusões. O serviço já foi muito melhor, quando quem administrava, respeitava o cidadão e levava o serviço de saúde a sério.

FONTE/CRÉDITOS: NCI/Divulgação
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!