website page view counter

Folha Regional Online

Domingo, 2 de Junho de 2024
laboratório
laboratório

Londrina

Mulher morre em UPA exclusiva para pessoas com dengue em Londrina

Paraná confirmou 37 novas mortes, de pessoas com idades entre 14 a 94 anos, e 34.226 novos casos de dengue no estado em uma semana.

Ely Damasceno
Por Ely Damasceno
Mulher morre em UPA exclusiva para pessoas com dengue em Londrina
aedes aegypt Paulo Whitaker/Reuters
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

       Uma mulher de 31 anos morreu em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) exclusiva para pessoas com sintomas de dengue nesta terça-feira (16), em Londrina, no norte do Paraná. Ela foi diagnosticada com a doença nesta semana.  Segundo familiares, nesta terça pela manhã, a mulher foi até a unidade passando mal, sofreu uma convulsão e uma parada cardíaca. De acordo com a Secretaria de Saúde de Londrina, a mulher chegou na UPA em parada cardiorrespiratória.

   Por conta disso, os médicos fizeram o procedimento para reanimação, mas não tiveram sucesso. O órgão afirmou que haverá uma apuração para saber se a morte foi causada pela dengue.  A Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (Sesa) divulgou nesta terça-feira (16) a confirmação de 37 novas mortes e 34.226 novos casos de dengue no estado. Desde o começo do atual período epidemiológico, iniciado em 30 de julho do ano passado, o Paraná soma 140 mortes e 219.045 casos confirmados da doença.

   Conforme a instituição, as mortes aconteceram entre 4 de fevereiro e 2 de abril e são de pessoas com idades entre 14 a 94 anos, sendo que 27 delas tinham comorbidades. Confira: Mulher, 79 anos, com comorbidades, residência em Marmeleiro Homem, 74 anos, com comorbidades, residência em Pranchita Mulher, 19 anos, sem comorbidades, residência em Cascavel Homem, 85 anos, com comorbidades, residência em Cascavel Homem, 80 anos, com comorbidades, residência em Cascavel Homem, 77 anos, com comorbidades, residência em Formosa do Oeste Homem, 73 anos, com comorbidades, residência em Nova Aurora Homem, 78 anos, sem comorbidades, residência em Alto Piquiri Homem, 68 anos, com comorbidades, residência em Cruzeiro do Oeste Homem, 45 anos, com comorbidades, residência em Francisco Alves Homem, 50 anos, com comorbidades, residência em Francisco Alves Homem, 80 anos, com comorbidades, residência em Ivaté Mulher, 83 anos, com comorbidades, residência em Mariluz Homem, 66 anos, com comorbidades, residência em Umuarama Homem, 66 anos, com comorbidades, residência em Umuarama Homem, 83 anos, com comorbidades, residência em Planaltina do Paraná Mulher, 82 anos, com comorbidades, residência em Mandaguaçu Mulher, 48 anos, com comorbidades, residência em Maringá Mulher, 28 anos, sem comorbidades, residência em Maringá Homem, 74 anos, com comorbidades, residência em Arapongas Mulher, 14 anos, com comorbidades, residência em Arapongas Mulher, 18 anos, com comorbidades, residência em Arapongas Mulher, 37 anos, sem comorbidades, residência em Londrina Mulher, 20 anos, sem comorbidades, residência em Londrina Homem, 73 anos, sem comorbidades, residência em Londrina Homem, 81 anos, sem comorbidades, residência em Londrina Mulher, 80 anos, com comorbidades, residência em Bela Vista do Paraíso Homem, 68 anos, com comorbidades, residência em Miraselva Homem, 92 anos, com comorbidades, residência em Rolândia Homem, 76 anos, com comorbidades, residência em Rolândia Mulher, 57 anos, com comorbidades, residência em Rolândia Homem, 76 anos, sem comorbidades, residência em Rolândia Homem, 79 anos, com comorbidades, residência em Marechal Cândido Rondon Mulher, 84 anos, com comorbidades, residência em Santa Helena Homem, 94 anos, sem comorbidades, residência em Terra Roxa Homem, 54 anos, sem comorbidades, residência em Toledo Mulher, 80 anos, com comorbidades, residência em Toledo.

Publicidade

Leia Também:

   A morte registrada nesta terça, na UPA em Londrina, não está neste boletim epidemiológico. Isso porque, antes de entrar na estatística, a morte é investigada. Zika e chikungunya O mosquito transmissor da dengue, Aedes aegypti, também é responsável pela transmissão da zika e chikungunya. Durante o mesmo período, conforme a instituição, não houve confirmação de casos de zika. Em relação a chikungunya, houve o registro de três novos casos, somando 104 confirmações da doença no período.

   Do total de casos, 66 são autóctones, ou seja, quando a doença é contraída no município onde a pessoa vive. Como evitar a dengue? Mosquito Aedes aegypti Ueslei Marcelino/Reuters Evite qualquer reservatório de água parada sem proteção em casa. O mosquito pode usar como criadouros grandes espaços, como caixas d'água e piscinas abertas, até pequenos objetos, como tampas de garrafa e vasos de planta. Coloque areia no prato das plantas ou troque a água uma vez por semana. Mas não basta esvaziar o recipiente. É preciso esfregá-lo, para retirar os ovos do mosquito depositados na superfície da parede interna, pouco acima do nível da água.

   O mesmo vale para qualquer recipiente com água. QUIZ: faça o teste e veja se você está bem-informado para ajudar no combate à dengue Pneus velhos devem ser furados e guardados com cobertura ou recolhidos pela limpeza pública. Garrafas pet e outros recipientes vazios também devem ser entregues à limpeza pública. Vasos e baldes vazios devem ser colocados de boca para baixo. Limpe diariamente as cubas de bebedouros de água mineral e de água comum. Seque as áreas que acumulem águas de chuva. Tampe as caixas d’água. 

FONTE/CRÉDITOS: g1/PR
Comentários:
Ely Damasceno

Publicado por:

Ely Damasceno

Bacharel em Teologia Theological University of Massachussets USA 1984/1990. Jornalismo pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo. Repórter Gaz.Esportiva, Diários Associados, Estadão/SP, Jornais Dayle Post, em Boston-USA e Int.Press Hyogo-Japão

Saiba Mais

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!