website page view counter

Folha Regional Online

Domingo, 2 de Junho de 2024
laboratório
laboratório

Local

Ibiporã fica fora do quarto ciclo do "Castra Pet", realizado pelo Instituto Água e Terra (IAT)

Vai ver é porque a cidade é "autosuficiente" nesta prestação de serviços, com o Centro de Zoonoses

Ely Damasceno
Por Ely Damasceno
Ibiporã fica fora do quarto ciclo do
Folha Portal/AEN
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

   Ibiporã está fora da lista de cidades que será contemplada no primeiro trimestre de 2024, como o Programa Permanente de Esterilização de Cães e Gatos, o CastraPet.   O programa instituído pelo IAT- Instituto Água e Terra realizará seu quarto ciclo previsto para iniciar já em janeiro e, nesta etapa vai contemplar 165 cidades de todas as regiões do Paraná, iniciando com Arapuã, Cambé, Conselheiro Mairinck, Grandes Rios, Jundiaí do Sul, Nova Fátima, Porecatu, Prado Ferreira, Quatiguá, Rancho Alegre, Rolândia, Rosário do Ivaí, Santa Amélia, Santa Inês, São João do Ivaí, Sapopema e Wenceslau Braz”, informou a assessoria de Governo na última sexta-feira.

    Graças ao trabalho modelo oferecido por Ibiporã com seu "Centro de Zoonoses" e o exemplo magnifico que dá ao tratamento de Pets no município com acolhimento, castração e vacinas, neste sentido ou município demonstra-se auto-suficiente para atender a demanda, sendo aparentemente dispensável sua inclusão no Programa do Governo.  A invejável estrutura no prédio da prefeitura localizado na avenida Londrina, (antiga farmácia comunitária) destinado a suporte veterinário, entregue a responsabilidade da vereadora Maria Galera, ganhou até um puxadinho que consegue abrigar pelo menos, um animal (de pequeno porte, claro).

   Voltando ao programa, as cidades citadas já estão inseridas no Plano Paraná Mais Cidades (PPMC), estabelecido pelo Governo do Estado para promover o desenvolvimento dos municípios paranaenses, com investimentos nesta fase de R$ 8.980.000,00. Ele visa atender especificamente os pets da população de baixa renda, organizações da sociedade civil e protetores independentes esterilizando gratuitamente cães e gatos.

Publicidade

Leia Também:

   "O objetivo do programa é conter a crescente população de animais nas ruas e, consequentemente, a possibilidade do aumento de casos de zoonoses”, destacou o deputado Cobra Repórter, que não foi eleito com a bandeira da causa animal, mas realmente defensor dela apresentando a ideia ao governador Ratinho Junior! Cobra explica que "desde o seu início em 2019, o Programa Permanente de Esterilização de Cães e Gatos já alcançou quase 70% dos municípios do Estado nas três fases anteriores. Nesse período, foram castrados 75 mil animais em 275 cidades paranaenses, demonstrando o impacto positivo e abrangente do projeto".

    Destas cidades, pelo menos 40 delas, o deputado Cobra Repórter tem base eleitoral, e sem muita promessa e mais trabalho, foi um dos idealizadores do CastraPet solicitando a construção de hospitais veterinários regionais e também de delegacias para atendimento aos maus-tratos aos animais. O deputado tem um projeto de lei para instituir o programa de distribuição de ração para os animais das famílias de baixa renda e protetores, que aliás é muito diferente de "acumuladores de animais" para dividendos político.

    É de Cobra também o projeto de lei para instituir o Programa DentalPet Paraná – A Saúde Bucal Animal para a realização de odontologia veterinária gratuita. O deputado também tem um projeto de lei para implantar no Estado o programa “Saúde Animal On-line’’ para a realização gratuita de telemedicina veterinária, objetivando a saúde e o bem-estar de animais domésticos, de forma ágil e eficiente.

    Mas primeiro é preciso dar uma atenção especial ao Hospital Veterinário da UEL em Londrina, que deixa muito a desejar.  Em visita de nossa reportagem ao ambulatório veterinário, fomos impedidos de registrar algumas condições como pé de mesa de exames quebrado e calçado com garrafa pet, equipamentos para realização de exames sem funcionar (é preciso levar para laboratórios externos), sem falar na altura do mato, no entorno do acesso entre uma ala a e outra. Nunca se viu a UEL em tamanho estado de abandono em, vários pontos do Campus onde alguns corredores já foram cobertos pelo mato.  Uma atenção na nossa universidade também conta votos.

FONTE/CRÉDITOS: Folha Portal/AEN/GOV/PR
Comentários:
Ely Damasceno

Publicado por:

Ely Damasceno

Bacharel em Teologia Theological University of Massachussets USA 1984/1990. Jornalismo pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo. Repórter Gaz.Esportiva, Diários Associados, Estadão/SP, Jornais Dayle Post, em Boston-USA e Int.Press Hyogo-Japão

Saiba Mais

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!