Folha Regional On line

Notícias LOCAL

Festa irresponsável de Natal de Luz e tal, leva o povo para o hospital

Mídia em canais de televisão convocaram população de fora para o "Festa de aglomeração" em Ibiporã

Festa irresponsável de Natal de Luz e tal, leva o povo para o hospital
NCS/PMI/Divulgação/Jaime Kaster/Carolini Vicentini/
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Muita aglomeração e a maioria das pessoas, inclusive crianças "sem máscara" de proteção facial

    O surgimento da variante Ômicron do novo coronavírus restringiu as festas de réveillon em todo o país. Pelo menos 20 capitais cancelaram a realização de shows e eventos artísticos para evitar a aglomeração de pessoas. No entanto, em algumas cidades, a irresponsabilidade do poder público, inclusive com queima de fogos foi mantida.
     Aqui em Ibiporã, não foi diferente. Diante desta atitude irresponsável, o prefeito José Maria Ferreira e a primeira dama, Eliana Eik Borges, provaram por A mais B que não tem nenhum respeito pelos seus semelhantes  e muito menos pela vida humana ao promover e realizar um evento permitindo aglomeração, e ainda por cima, torrando milhares de reais do dinheiro público, regulado para exames e medicamentos.
     O prefeito simplesmente colocou a população e os visitantes numa condição de “cobaias” para comprovar a eficácia do planejamento e controle municipal da pandemia. 
     Enquanto os (ir)responsáveis se gabavam de sua “festa maior no Natal de Luz e Paz”, (se contaminar depois corre atrás) dezenas de pessoas eram vistas sem o uso de máscara, comendo, bebendo e tropeçando umas nas outras para aglomerados, assistirem aos shows contratados a peso de ouro na Praça Pio XII. O resultado está aí com os casos crescentes dia a dia e agora, a prefeitura com a UPA lotada, procura virar o disco. E toca a bater na tecla do isolamento, da não aglomeração e da adoção dos protocolos de segurança. Ué, o que aconteceu com os protocolos durante as festas? Tirou férias? 
     Não há dúvida que o maior responsável pelos novos casos de crescente contaminação nos últimos dias, foi o poder público de Ibiporã. O resultado da festa irresponsável e o gasto desnecessário de dinheiro público foi patente quando a situação dava sinais de que poderia acabar.           Lotação nas unidades de saúde, falta de testes até em laboratórios particulares,  e  agora, o apelo para que se evitem aglomerações? Ora, se o próprio poder público gastou uma fortuna na mídia, convocando a população de outras cidades em rede estadual de TV para virem se aglomerar aqui por mais de uma semana, o que se esperar senão a disseminação não só do Covid e suas variantes, mas também na Influenza A e B. A mídia está mostrando que todos os dias  estas vertentes estão matando pessoas em todo o país. Enquanto isso, o que nosso prefeito faz?

Até o prefeito José Maria, ainda com a saúde debilitada, lidera o mau exemplo ao lado da Secretária de Saúde     

Desrespeita todos os protocolos do Ministério da Saúde e da OMS - Organização Mundial de Saúde. O prefeito invés de ajudar a proteger a população, convocou todos para a aglomeração coletiva em praça publica onde provavelmente o vírus chinês também se divertiu. E agora José?
     Que moral tem o prefeito para pedir a polícia que intervenha em festas de família em chácaras particulares onde há suposta aglomeração, se ele mesmo foi o promotor do maior caso juntando mais de 5 mil pessoas na Praça? Isto num momento em que mesmo com o Sistema Único de Saúde [SUS], trabalhando a todo vapor, ainda falta estrutura para salvar vidas. Quem tem dinheiro, vai para o Hospital Sírio Libanês, não é prefeito? Ao ponto que sua população sobrecarrega servidores nas Unidades de Saúde, ficando igualmente expostos ao vírus dado a sua irresponsabilidade.  

Fotos das aglomerações foram substituídas por alertas e balancetes de contaminação. De 158 para 215 confirmado em 3 dias

    E aqueles que não têm recursos próximos a suas moradias e são obrigados a se deslocar a longas distâncias e, muitas vezes, enfrentar situações de conflito para obter atendimento como vimos na semana passada ocorrer na UPA. Será que os senhores só se darão conta da "cagada que fizeram (*)"  quando as pessoas começarem a morrer ali, na eterna fila de espera de uma UPA?  Já chega a 7 horas de espera.
     A Promotoria de Justiça Comunitária e Cidadania em diversos municípios, tomaram providências expedindo recomendações aos prefeitos sobre os riscos de promoção de festas; não só como evitar que aconteçam como fiscalizar a outrem (público ou privado) com aglomeração de pessoas. Aqui em Ibiporã, não se tem notícia de que este alerta tenha sido dado. Se foi, ficou engavetado! Vale lembrar aqui que muitas empresas deixaram de fazer suas tradicionais confraternizações em respeito a vida. Mas para quem corta exames de saúde e medicamentos de essenciais uso para a população, está se lixando para isso! Aliás o que parece ter sido a única preocupação da administração, foi retirar das redes sociais as fotos que registram toda a aglomeração na Praça durante os dias de festa.

(*) Apenas uma metáfora pitoresca!

Primeiro a farra com dinheiro público, agora os alertas para prevenção de volta. É muita patifaria dos irresponsáveis!

FONTE/CRÉDITOS: NCS/PMI/Divulgação/Jaime Kaster/Carolini Vicentini/ Jornal União
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!