website page view counter

Folha Regional Online

Quarta-feira, 29 de Maio de 2024
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Local

Engenheiro agrônomo alerta para risco de plantio incorreto de árvores

Mudas recém plantadas na região central em uma semana já estão pendendo para o lado e podem cair

Ely Damasceno
Por Ely Damasceno
Engenheiro agrônomo alerta para risco de plantio incorreto de árvores
Folha Portal/Divulgação
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

     Plantar árvores, seja para reduzir a poluição, seja para embelezar a cidade, não é tão simples quanto parece. A queda constante de árvores, por conta de fortes ventos e chuvas, tem mostrado que é preciso responsabilidade na hora de cavar o buraco, plantar, monitorar o crescimento e podar uma árvore.  Este é o alerta que dá um engenheiro que prefere não se identificar, ao perceber a forma com que a repaginação do verde está sendo executado nas avenidas de Ibiporã.

    Assim como o cuidado no plantio, até o corte correto de árvores e galhos exige técnica, de forma que a árvore mantenha-se bonita e sem riscos para a população. Para evitar acidente e livrar a rede elétrica de galhos e folhas, o engenheiro explica que até o local do plantio de uma árvores deve ser estudado. "Aqui em Ibiporã vimos o absurdo de plantio de árvore embaixo de marquises e toldos, sem levar em conta que estão sendo feitas de modo equivocado. Dá para notar que as pessoas não tem o mínimo conhecimento e prática pelo trabalho que estão executando. Plantar uma árvore não é somente cavar um buraco e jogar a muda dentro", observa.

    Ele aponta que antes do plantio, a cova de ser dimensionada de modo que a muda tenha um espaço para receber ao seu redor, adubo e nutrientes que irão potencializar seu desenvolvimento natural. "A muda precisa ser plantada em pé, e ao ser aterrada deve ser bem socada, de forma a garantir que não venha deitar ou cair com o vento. Ela precisa estar escorada e firme", explicou.

Publicidade

Leia Também:

     "A intensão do prefeito não é totalmente errada com a erradicação de algumas espécies, impróprias para o meio urbano, mas percebe-se que ainda não houve um planejamento ou projeto paisagístico detalhado.  Ninguém projeta plantio de uma árvore debaixo de marquise ou de toldos, como vimos pela cidade.  Em Ibiporã o plantio de árvores se deu após um amplo crescimento populacional. E cada um plantou um tipo de árvore, sem nenhum planejamento. Não obstante haviam muitas árvores frutíferas que foram derrubadas, como as mangueiras na esquina da avenida Santos Dumont com a rua Osvaldo Cruz e as bananeiras na Rua Luiz Ferrari”, explica o engenheiro.  Percebe-se que muitas das mudas replantadas  não está havendo manutenção e algumas já estão caindo. Deste jeito vão sobreviver poucas. É necessário também que frente aos estabelecimentos comerciais que receberam as mudas, alguém tenha a consciência de regá-las enquanto ainda mudas.

    O engenheiro sugere ao município que as novas árvores sejam identificadas com uma espécie de "RG" a fim de serem monitoradas e podadas ao longo de seu desenvolvimento constantemente até por 10 ou 20 anos, dependendo da espécie. Ibiporã ainda é embrião quando se fala em projetos ambientais a julgar pelo que se viu. Mas o primeiro passo foi dado com a avaliação de risco que nunca foi feito por aqui, e desta feita, uma erradicação coletiva foi executada, embora a contragosto da população. Só falta competência no replantio.

FONTE/CRÉDITOS: Folha Portal/Ely Damasceno
Comentários:
laboratório
laboratório

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!