Folha Regional On line

Notícias LOCAL

Discriminação com "ponta da avenida" sugere ressureição de "defuntos de campanha"

Comerciantes do local pagam impostos e merecem o mesmo tratamento dos grandes do centro

Discriminação com
Redes Sociais/
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

  Na administração do ex-prefeito avenida era enfeitada até seu final. Não havia discriminação nem perseguição política

    A prefeitura de Ibiporã, este ano não despertou o espírito natalino nos comerciantes estabelecidos na avenida Paraná, da quadra da rua Clotário Portugal até a saída para Jataizinho, como ocorreu nos anos anteriores. Ao contrário, despertou o sentimento de discriminação e revolta com o aparente descaso com que aquela região está aparentemente recebendo dos responsáveis pela decoração de natal nos canteiros e rotatórias.
    Na última sexta feira, a primeira dama, foi vista desfilando pela avenida, apontando os locais onde cada peça decorativa deveria ser instalada. Por volta das 19h00, ao chegar frente a Farma Correa, do ex-vereador João Correa, em frente ao “Estádio Municipal José dos Santos”, deu meia volta, e a decoração ficou somente até ali.
    Passaram-se uma semana, e ninguém mais apareceu para dar uma satisfação sobre o complemento da decoração na avenida que inicia-se no marco de entrada da entrada da cidade, no trevo do Contorno Norte.
    A situação levantou alguns questionamentos, que trouxeram, a tona as velhas discussões sobre rixas e desavenças políticas que acaloraram a última campanha eleitoral, cuja maioria dos “comerciantes”, apoiaram abertamente o candidato eleito. Inclusive, um velho membro da diretoria da Associação Comercial, ganhou cargo de confiança no primeiro escalão. Também não é segredo para ninguém que alguns estabelecidos naquele trecho ignorado, disputaram a eleição em outra chapa, ou que não apoiava o atual prefeito. Curiosamente estão sendo ignorados e o trecho da avenida  onde estão, não foram contemplados com decoração. Será que a avenida comercial da cidade, para esta administração, só vai até ali, ou o dinheiro dos impostos de "alguns" é melhor do que dos outros?
    A vergonha maior, fica para o prefeito a ponto de um dos vereadores ter que pedir através de protocolo, via Câmara Municipal, atenção também para o resto da avenida, que por sinal, pagam seus impostos e geram emprego e renda como os demais, que financiam campanha e ganham cargos. É um verdadeiro desrespeito à vontade e liberdade democrática do cidadão e atitude mesquinha, fruto geralmente de gente sem caráter, sem compromisso com a sociedade.

   

Este ano a chamada "quadra dos desafetos" está as escuras, iluminação precária e sem decoração de Natal até hoje

Quem foi eleito, precisa governar para toda a cidade e não apenas para seus simpatizantes ou puxa-sacos; ou até mesmo, financiadores de campanha em troca de cargos. Afinal, quem pagas todos estes salários, são os cidadãos cuja parte deles, vem dos impostos pagos pelos estabelecidos. Então porque tratamento diferenciado?
    A mesquinharia se sobrepõe aos valores Cristãos, Éticos e Morais? É o mínimo que a administração municipal pode fazer em retribuição ao impostos pagos o ano inteiro.  Sugerir que é perseguição política, não é nenhum exagero, dado aos episódios de "bastidores de campanha".
    E a Associação Comercial, o que acha disso? Vale lembrar que justamente por este tipo de discriminação, injustificável já foi ventilada a possibilidade de uma “Associação paralela”, dado ao fato que hoje a voz do comércio parece só ecoar com autorização de quem manda! Por conta disso, o centro da cidade virou uma terra de ninguém. Ninguém fiscaliza mais nada, os abusos seguem-se dia a dia, e o Código de Posturas não serve para nada. E alguns fazem de conta que não está acontecendo nada. A competência deve estar de quarentena!

    Não precisa ter “bola de cristal” para afirmar que em época de festas, a ausência da decoração prejudica as vendas. “O pessoal que frequenta o Centro, ao ver a decoração, fica estimulado a comprar. O que olho vê, o coração deseja”, afirma um dos comerciantes indignados com a postura da prefeitura. A instalação da decoração representa um atrativo e impulsiona o movimento. Se falta agente para fazer, nos propomos nós mesmos a fazer um mutirão e fazer a decoração”, se propõe um grupo. Assim como ainda tem gente que acredita em papai-noel, também há aqueles que acreditam que o requerimento do vereador será atendido e a decoração ainda chegue, antes da Missa do Galo. Ah, em tempo...e que não façam a besteira de colocar ponte de novo na rotatória da Praça Pio XII. É um crime para o trânsito!

NOTA DA REDAÇÃO: Para quem não sabe, A Missa do Galo é uma tradição muito antiga da Igreja Católica e consiste basicamente em uma celebração que é realizada à meia-noite na véspera de Natal, isto é, na passagem do dia 24 para o dia 25 de dezembro.

 

FONTE/CRÉDITOS: Redes Sociais/
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!